Joyce Pascowitch Jornalista renomada e de grande destaque no Brasil e no exterior, Joyce Pascowitch comanda o Grupo Glamurama, que publica o site Glamurama, um dos veículos de maior audiência da internet, citado frequentemente por publicações internacionais. Além do site, o Grupo também edita as revistas Joyce Pascowitch, PODER, Modo de Vida e MODA.

  Sabe onde estou agora? De frente para o Cristo. Redentor, claro. No Rio, na sala da minha irmã, de onde se vê todo o Jardim Pernambuco, bairro chique daqui, e ao fundo, ele, o Cristo, reinando num céu azul que só mesmo este inverno com cara de veranico tem. Pois bem: vim quinta para o Rio, aproveitei tanto o feriado, mas tanto, que até hoje não havia voltado a este blog. Sem posts desde quinta. Me senti tão solta, mas tão solta… que fugi. Mas agora voltei. O que aconteceu? Bastante coisa. Descobri lugares no Rio aonde nunca tinha ido – tudo bem que vários deles são restaurantes… Falha nossa! Fica aqui o registro de pelo menos um deles: Le Blé Noir, uma casa de crepes em Copacabana, delícia. Mas também fui ver a mostra de bromélias no Jardim Botânico, incrível. Comprei até algumas, bem pequenas, cujas folhas têm desenhos quase que lisérgicos. Descobri também lá umas árvores tipo bananeiras, que se chamam, acho, árvores dos viajantes. Adorei: totalmente tropical. Fui à praia no Leblon, na barraca da Cristina, figura. Ela mora no Vidigal, cheia de problemas na família que ela divide com seus clientes. E no sábado à noite, fui ao show que festejou no Maracanã  os 50 anos de carreira de Roberto Carlos. Com chuva de molhar a alma. O que mais me tocou? O que vi depois na TV: Roberto falando de Erasmo. Roberto tem o timing dele e na hora exata, no auge de tudo, foi justamente Erasmo que ele citou. Me arrancou o coração. Confesso que ver Roberto Carlos chorando de verdade, emocionado de verdade e reconhecido de verdade foi a grande redenção de todas essas comemorações. Me senti finalmente feliz. E emocionada como gostaria de estar.

  Estes dias têm sido de alta ansiedade para mim: Jesus Luz, Tom Munro, Eliana com a stylist Marie-Amélie Sauvé… Jantar no Fasano, show de Roberto Carlos com as mulheres… Eis que hoje, tentando me recuperar de tanto trabalho e agito, veio aterrissar na minha mesa a revista RC Emoções, prontinha da silva. Ideia do empresário de Roberto, Dody Sirena, desenvolvida aqui por nós da editora. Desde o momento em que fomos escolhidos para fazer essa edição especial que comemora os 50 anos de carreira de RC, o dia a dia nesta empresa mudou. Gente a mais para trabalhar conosco, muito telefonemas, conexões, altas produções.

  Nossa precisa equipe local (Simone, Meire, Suzy) mais Mauro, com Manu na direção de arte, todos enlouquecidos – fazer um produto para Roberto Carlos não é tarefa pequena, não. Nem simples: tentamos ir ao fundo da alma brasileira e entender o que é esse fenômeno que dura tanto. Acho sinceramente que conseguimos. Tá bom que ninguém viu ainda e nem pode concordar ou discordar. Mas, na minha modesta opinião nada imparcial, ficou linda. Redonda. Inusitada. Uma verdadeira homenagem. Para conferir, ler, relembrar, se divertir. Quando tiverem suas opiniões, favor manifestá-las. Prometo aguentar o tranco.

  Acordei hoje cantando Roberto Carlos. Feliz da vida, passei quase todo o repertório em revista – claro, só as músicas que  conheço mais, minhas preferidas. Posso dizer que acordei muuuuito feliz. O show dessa terça me deixou nas nuvens. Fui com meu amigo Giovanni Bianco, que nunca tinha visto o rei cantar ao vivo. Ele chorou no final. Confesso que comigo é diferente: vou a todos os shows em São Paulo. E cada vez fico tocada, emocionada, enlevada. Ontem foi tudo diferente. Muitas mulheres cantando canções de RC. Fiquei louca com Alcione. Louca, arrepiada, totalmente levada por aquela força nada estranha. Aquele vozeirão poderoso invadiu o Teatro Municipal com uma força que até ao comentar depois ainda fiquei arrepiada. “Sua Estupidez” com a Marrom entrou nesta terça para a história da MPB. Sandy, por sua vez, fez o contraponto ideal: frágil, elegante, correta. No mais, as moças demonstraram nervosismo – já previsto – por estarem lá naquele dia, naquela hora. Foi bonito ver isso. E mais ainda ver RC superelegante, mas sem perder a personalidade. O tempo passa, sim – mas só Roberto Carlos nunca passa.

José Serra se reuniu sigilosamente, em São Paulo, com parte da cúpula do PTB. Ao contrário do que diz Roberto Jefferson, presidente do partido, o PTB não está fechado com Dilma Rousseff. Parte do partido negocia com Serra uma dobradinha na campanha presidencial.