Que coisa mais engraçada. Domingo resolvi estrear um par de sandálias que estava louca para usar. Aproveitei para fazer o teste drive no almoço na casa da minha mãe, tipo não ia correr grandes riscos. Explico melhor: trata-se de uns chinelos da Céline, uma das marcas preferidas da turma da moda, de ponta, ousada, elegante. Só que os ditos cujos são bem esquisitos: parecem sandálias franciscanas, de couro, só que peludas. Muito peludas. Anexei a foto aqui neste espaço para facilitar o entendimento. Pois bem: sandálias nos pés, desci, abri a porta do elevador e, ao entrar no meu carro, Silvano, o porteiro, começou a rir: “Que engraçado esse seu sapato, dona Joyce”. Ele riu muito e até pediu pra tocar nos pelos. Não estava acreditando que eu estava usando aquilo. Eu, do meu lado, feliz e orgulhosa de minha produção de roupa de domingo: jeans desencanado, uma camiseta de manga comprida e os tais chinelos Céline. Admiro muito gente que cria. Seja da moda, sejam escritores, artistas plásticos, atores, bailarinos. Admiro o trabalho de Phoebe Philo, estilista da Céline. E acho que moda boa, de verdade, tem de mexer com a gente de alguma maneira. Principalmente se for pra sorrir.