Somos um país de bundas. Não sou a primeira a dizer isso, mas digo agora porque passei os feriados no Rio, fui à praia, coisa que adoro, e vi montes de bundas na minha frente. Umas poucas realmente bonitas, outras tantas feias, algumas horrorosas. Que mania foi essa que inventaram, bundas de fora dos biquínis, tipo fio-dental? É muito feio, feio de verdade. As mulheres cariocas são lindas em grande parte, mas o fio-dental realmente torna todas elas vulgares, muito vulgares. Por que lembrei disso agora? Porque tive momentos de alta inspiração no desfile que Pierre Cardin fez no shopping Iguatemi. Que sensação de… Pertinência. Que privilégio ver uma coisa que era realmente “moda”. Criação de verdade. A cada modelo que passava na passarela, eu pensava o quanto Pierre Cardin sempre foi original, genial, na verdade. Pensava também o quanto é raro a gente ter a chance de ver nas passarelas algo realmente autêntico, classudo. De respeito. Encontrei depois, ao final do desfile, duas amigas que… Choraram. Isso mesmo: choraram. Talvez ninguém soubesse muito explicar por que tanta emoção. Eu acho que até entendi… O fato é que coisas de verdade, autênticas, ainda mexem, sim, com as pessoas – mesmo nesses tempos loucos de internet etc e tal. E isso, temos de concordar, é muito bom.