Joyce Pascowitch Jornalista renomada e de grande destaque no Brasil e no exterior, Joyce Pascowitch comanda o Grupo Glamurama, que publica o site Glamurama, um dos veículos de maior audiência da internet, citado frequentemente por publicações internacionais. Além do site, o Grupo também edita as revistas Joyce Pascowitch, PODER, Modo de Vida e MODA.

  A Bienal tem um novo presidente. José Sarney disse que não sabia que recebia dinheiro do auxílio-moradia. Vários livros adotados por escolas públicas de São Paulo estão sendo recolhidos por conteúdo inapropriado. Enquanto penso sobre tudo isso, fecho mais uma edição e acompanho os movimentos do site, me preparo para uma temporada de 14 dias observando o mundo. Prometo me fazer presente o máximo possível. Sempre com um olhar diferenciado sobre os lugares por onde passarei. Até já!

  Estes dias têm sido de alta ansiedade para mim: Jesus Luz, Tom Munro, Eliana com a stylist Marie-Amélie Sauvé… Jantar no Fasano, show de Roberto Carlos com as mulheres… Eis que hoje, tentando me recuperar de tanto trabalho e agito, veio aterrissar na minha mesa a revista RC Emoções, prontinha da silva. Ideia do empresário de Roberto, Dody Sirena, desenvolvida aqui por nós da editora. Desde o momento em que fomos escolhidos para fazer essa edição especial que comemora os 50 anos de carreira de RC, o dia a dia nesta empresa mudou. Gente a mais para trabalhar conosco, muito telefonemas, conexões, altas produções.

  Nossa precisa equipe local (Simone, Meire, Suzy) mais Mauro, com Manu na direção de arte, todos enlouquecidos – fazer um produto para Roberto Carlos não é tarefa pequena, não. Nem simples: tentamos ir ao fundo da alma brasileira e entender o que é esse fenômeno que dura tanto. Acho sinceramente que conseguimos. Tá bom que ninguém viu ainda e nem pode concordar ou discordar. Mas, na minha modesta opinião nada imparcial, ficou linda. Redonda. Inusitada. Uma verdadeira homenagem. Para conferir, ler, relembrar, se divertir. Quando tiverem suas opiniões, favor manifestá-las. Prometo aguentar o tranco.

  Acordei hoje cantando Roberto Carlos. Feliz da vida, passei quase todo o repertório em revista – claro, só as músicas que  conheço mais, minhas preferidas. Posso dizer que acordei muuuuito feliz. O show dessa terça me deixou nas nuvens. Fui com meu amigo Giovanni Bianco, que nunca tinha visto o rei cantar ao vivo. Ele chorou no final. Confesso que comigo é diferente: vou a todos os shows em São Paulo. E cada vez fico tocada, emocionada, enlevada. Ontem foi tudo diferente. Muitas mulheres cantando canções de RC. Fiquei louca com Alcione. Louca, arrepiada, totalmente levada por aquela força nada estranha. Aquele vozeirão poderoso invadiu o Teatro Municipal com uma força que até ao comentar depois ainda fiquei arrepiada. “Sua Estupidez” com a Marrom entrou nesta terça para a história da MPB. Sandy, por sua vez, fez o contraponto ideal: frágil, elegante, correta. No mais, as moças demonstraram nervosismo – já previsto – por estarem lá naquele dia, naquela hora. Foi bonito ver isso. E mais ainda ver RC superelegante, mas sem perder a personalidade. O tempo passa, sim – mas só Roberto Carlos nunca passa.

  Sempre olhei com atenção especial para mulheres que se destacam neste país. Claro, isso não é tarefa nada fácil… A ministra Ellen Gracie é um desses casos. Chegou ao Supremo – e deve ter dado muito duro para isso. Daí que considero ter sido uma perda – e não só para o Brasil – a derrota dela na eleição para uma das sete cadeiras do Órgão de Apelação da OMC. O motivo alegado pela instituição foi o fato de a ministra não ter experiência em comércio exterior, ao contrário do eleito, o mexicano Ricardo Ramírez. Mas se Ellen não é exatamente expert em relações comerciais, é uma jurista respeitadíssima, a primeira mulher a presidir o STF, além de ser charmosa e articulada. Tiraria de letra qualquer questão judicial. Dona ministra: estamos aqui para o próximo round.

  Foi tipo produção de Hollywood o que aconteceu nesse domingo no hotel Comodoro, em São Paulo. Era lá que a apresentadora Eliana, vestida por Marie-Amélie Sauvé, considerada a stylist mais chique do mundo – ela produziu Madonna para a Louis Vuitton -, posava para o fotógrafo Tom Munro. As fotos serão capa e recheio da revista que eu edito. Participei por um bom tempo de toda a operação. E confesso: Eliana é uma star. Branquinha como as atrizes norte-americanas. Bem tratada, vaidosa e malhada na medida – também, ela tem aulas com Ivaldo Bertazzo… Enfim, assistir ao ensaio foi uma experiência e tanto para mim. Profissionais que são referências para todos os outros, extremamente cuidadosos. E a luz de Tom Munro? Bem, mais não posso – ou não devo? – falar. É só aguardar o resultado chegar às bancas. Vai demorar só um pouquinho…